Menu em imagem

Image Map

08 novembro 2017

{Papo Femininja} ~ Vamos conversar sobre o feminismo? ~

que é o movimento feminista para você? Como mulher, considera que tal movimento foi importante? Aliás, pra você, ainda é importante? 

O post de hoje é para conversarmos a respeito desse tema que tanto causa discussões nas redes sociais. Vou esclarecer o assunto, contando um pouco de como surgiu, como está atualmente, e ainda vamos conversar um pouquinho sobre as polêmicas envolvendo o feminismo. 

É importante e do seu interesse!


Durante muitos anos, a mulher não tinha direitos. No Brasil, estiveram mantidas ao ambiente doméstico e subalternas às figuras do marido e do pai por vários séculos. O simples ato de ir e vir era limitado. Uma mulher, no século XVIII, jamais poderia sair sozinha. Quando expostas ao público, deveriam estar acompanhadas e na maioria das vezes, essa exposição era para visitar uma Igreja.

A mulher não tinha direito à educação. A necessidade em educar o sexo feminino ocorreu apenas no século XIX, e mesmo assim foi um projeto muito limitado. Até 1934, a mulher não tinha direito ao voto. E antes de 1950, para trabalhar, necessitava de uma autorização do marido.

E como conquistamos a liberdade de hoje? Queria dizer para vocês que nossa liberdade (que ainda considero limitada, mas isso é um assunto para mais tarde), foi conquistada de forma sutil, em meio a uma simples conclusão lógica de que o sexo feminino não deveria ser inferior ao masculino. Mas não.

Focando apenas no cenário brasileiro, mesmo com o reconhecimento da necessidade da educação feminina, ainda durante o Império, as instituições de ensino mais avançado eram proibidas ao gênero. No cenário mundial, as reivindicações para o acesso à educação e outros direitos das mulheres, deram início ao movimento feminista. No Brasil, em 1832, Nísia Floresta Augusta não se calou. Como educadora, fundou a primeira escola para meninas no país. Ativista, considerada a primeira feminista no Brasil, publicou várias obras em um período onde a imprensa estava começando, que tratavam sobre questões femininas.

Somente em 1879 as brasileiras obtiveram autorização do governo para estudarem em instituições de ensino superior. Claro que essa conquista foi vista e tida com muito preconceito pela sociedade como um todo. A mulher que decidia frequentar uma faculdade era muito criticada.

Isso porque estamos falando de educação. Que mal poderia haver no fato de uma mulher obter conhecimento?

Vamos agora abordar o direito ao voto. No Brasil, o movimento feminista se estabeleceu a partir de reivindicações para que a mulher conquistasse o direito de votar. A luta começou em 1917 e somente em 1932 tal direito foi garantido. Podemos citar Bertha Lutz como uma das grandes articuladoras feministas para a conquista.

Com a chegada da ditadura, lutar pelos direitos das mulheres passou a ser algo visto como crime. Afinal, as feministas lutaram contra a ditadura; obtiveram presença efetiva na luta a favor da democracia e ainda buscavam por causas específicas, como combate à violência doméstica e construção de creches para os filhos das trabalhadoras. Muitas foram exiladas do país.


A pílula anticoncepcional passou a ser comercializada na década de 60. Esse fato foi um verdadeiro marco para a libertação sexual da mulher. Foi desenvolvida por dois médicos americanos com o incentivo das feministas Margaret SangersKatharine McCormick. Foi a última que financiou as pesquisas com o dinheiro que herdou de sua família.

As feministas lutaram ainda pela lei do divórcio. A separação de um casal não era o fim. Ambos permaneciam unidos juridicamente. Tal lei foi regulamentada somente na década de 70.

Nos anos 80, lutaram contra a violência às mulheres e ainda por melhoras no atendimento especializado ao gênero. Em 1983, surge em resposta aos movimentos feministas: o Programa de Saúde Integral à Saúde da Mulher.

Foi ainda através do movimento que, em 1988, obtivemos avanços na Constituição Federal, garantindo igualdade nos direitos e deveres entre homens e mulheres perante a lei.

Não posso deixar de citar Maria da Penha, que lutou contra seu agressor, exigindo que ele fosse condenado. Sua luta serviu de exemplo para a criação da lei que recebe seu nome, sancionada em 2006, aumentando o rigor nas punições de violência contra a mulher.

Diante de todos esses fatos históricos que podem ser facilmente comprovados se vocês fizerem uma busca na internet ou mesmo em acervos bibliotecários, concluo que o movimento feminista contribuiu e muito para a evolução da mulher enquanto ser humano na sociedade. Sabemos que existem diversidades de gênero, mas é fato que isso não os tornam desiguais.

POR QUE FALAR SOBRE O FEMINISMO?
Outro dia estava lendo um post em um grupo no Facebook, e uma participante postou algo mais ou menos assim (é uma regra do grupo não printar ou expor participantes e não posso, ainda, reproduzir na íntegra a frase): "não acredito que muitas mulheres não conhecem a importância do feminismo. Pra você, faz diferença?"

Quase morri de infarto agudo do miocárdio. Havia comentários como:

"O feminismo NUNCA contribuiu em nada para a minha vida."

"Não consigo gostar de um movimento que prega aborto."

"Feminismo é sinônimo de pêlos nas axilas e na pepeca."

"Completamente desnecessário."

"Atualmente o feminismo prega por nudez."

"O feminismo de ontem me representava, hoje só envergonha as mulheres."

"O feminismo julga a mulher que escolhe casar e cuidar do lar."

"O feminismo obriga as mulheres a serem lésbicas."

"O feminismo abomina o gênero masculino."

"É coisa de mulher louca."

Resultado de imagem para gifs LISA SIMPSON

Eu já li esse tipo de coisa na internet, mas os responsáveis por esses comentários sempre eram do sexo masculino. Ler esses comentários sabendo que foram escritos por mulheres me deixou agoniada. Não por elas serem contra, mas pelo fato de o movimento estar sendo propagado de forma incorreta para a maioria das mulheres.

São muitas as páginas e sites que mostram uma cara completamente distorcida do feminismo. Por isso resolvi mostrar a verdadeira face, os verdadeiros ideias.
AFINAL, O QUE É O FEMINISMO?
"Feminismo é um movimento social, filosófico e político que tem como meta direitos equânimes (iguais) e uma vivência humana liberta de padrões opressores baseados em normas de gênero. Envolve diversos movimentos, teorias e filosofias advogando pela igualdade para homens e mulheres e a campanha pelos direitos das mulheres e seus interesses. - Movimento Feminista"

POR QUE É NECESSÁRIO?
Apesar de todos os avanços, a igualdade entre os gêneros ainda está longe de ser estabelecida. Exemplos clássicos: ser objetificada pelas roupas que usa; ainda ser responsabilizada pela maior parte dos serviços domésticos; ser julgada por ser mãe independente; ser julgada caso escolha não ser mãe...

E ainda temos problemáticas bem mais tocantes, como a própria violência contra a mulher. Mesmo com leis punitivas e com delegacias com atendimentos exclusivos às mulheres, a impressão que tenho é que com o passar do tempo a violência vem se tornando cada vez mais constante. Vejam os dados:

  • Em 2015, o Brasil registrou 1 estupro a cada 11 minutos. Esses são dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, mas levantamentos regionais feitos por outros órgãos, possuem variantes maiores ou menores, dependendo da região. Calcula-se que esses dados correspondem apenas a 10% dos casos que realmente acontecem; chegando-se a conclusão de que, somente em nosso país, pode-se ter uma taxa de meio milhão de estupros por ano.
  • Em média, 10 estupros coletivos são notificados pelos sistema de saúde do país.
  • Somente 15,7% dos acusados por estupro foram presos (Dados do estado de São Paulo obtidos pelo G1, referentes aos meses de janeiro a julho de 2017)
  • O mesmo levantamento apontou que na cidade de São Paulo há 1 estupro em local público a cada 11 horas.
  • No estado do Rio de Janeiro, há um caso de estupro em escola a cada cinco dias e 62% das vítimas tinham menos de 12 anos. (Dados do Instituto de Segurança Pública obtidos pelo EXTRA e referentes a Janeiro/2016 a Abril/2017. Nota-se aqui que não há distinção entre os níveis de ensino e que há também meninos vítimas de violência sexual)
  • No Metrô de São Paulo registra-se 4 casos de assédio sexual por semana. (Dados de 2016 obtidos pelo Estadão)
  • A cada 7.2 segundos uma mulher é vítima DE VIOLÊNCIA FÍSICA. (Fonte: Relógios da Violência, do Instituto Maria da Penha)
  • Em 2013, 13 mulheres morreram todos os dias vítimas de feminicídio, isto é, assassinato em função de seu gênero. Cerca de 30% foram mortas por parceiro ou ex. (Fonte: Mapa da Violência 2015)
  • Esse número representa um aumento de 21% em relação a década passada. Ou seja, temos indicadores de que as mortes de mulheres estão aumentando.
  • O assassinato de mulheres negras aumentou (54%) enquanto o de brancas diminuiu (9,8%). (Fonte: Mapa da Violência 2015)
  • Somente em 2015, a Central de Atendimento a Mulher – Ligue 180 –, realizou 749.024 atendimentos, ou 1 atendimento a cada 42 segundos. Desde 2005, são quase 5 milhões de atendimentos. (Dados divulgados pelo Ligue 180)
  • No estado de Roraima, metade das acusações de violência doméstica prescrevem antes de alguém ser acusado. Não foi conduzida nenhuma investigação nos 8.400 boletins de ocorrência acumulados na capital Boa Vista. (Dados do levantamento realizado pela Human Rights Watch em 2017)
  • 2 em cada 3 universitárias brasileiras disseram já ter sofrido algum tipo de violência (sexual, psicológica, moral ou física) no ambiente universitário. (Fonte: Pesquisa “Violência contra a mulher no ambiente universitário”, do Instituto Avon, de 2015).
Fonte das Estimativas e Dados: Blog Nana Soares

Ainda se faz necessária a reivindicação sobre os nossos direitos econômicos, culturais e ambientais. E é por isso que, em pleno século XXI, o movimento feminista existe e se encontra ativo.

Lutar pela igualdade social, econômica e cultural não foi, não é e nunca será desnecessária.
O FEMINISMO CONTEMPORÂNEO PREGA DESORDEM?
Em 2011, diversas partes do mundo registraram um grupo de mulheres que saíram nas ruas, peladas, em marcha pelo fim da culpalização  das vítimas em casos de agressão sexual e contra a violência doméstica.

Claro que o ato chamou a atenção. Onde já se viu mulheres reivindicarem nuas na rua? E esse grupo de mulheres instigam ainda mais, ao se autodenominarem VADIAS. Aliás, o movimento aqui no Brasil foi batizado como Marcha das Vadias.

Nudez e o uso do termo vadia chocam. Seria extremismo?

A MARCHA DAS VADIAS é um movimento que surgiu no Canadá, em 2011, batizado de Slutwalk. Tal movimento surgiu porque, neste mesmo ano, na Universidade de York, um policial, ao falar sobre segurança e prevenção ao crime, afirmou que as mulheres deveriam evitar se vestirem como vadias, para assim não serem vítimas de ataques

Ou seja, no pensamento da autoridade, a culpa da agressão sexual foi transferida para a vítima e não para o agressor. Roupa não justifica abuso; e foi por isso que várias mulheres saíram nuas às ruas, a fim de chocar, de mostrar ao mundo que o homem não pode justificar sua agressão usando o termo "vadia".

O grupo questiona: “Por que o termo 'vadia' é mais chocante do que os números da violência contra a mulher”?


É claro que comparando o movimento feminista de hoje com o do passado, lá da década de 60, vejo o quanto a abordagem se diferencia.

Muitos grupos usam o CHOQUE para despertar a atenção, como uma das próprias integrantes da MARCHA DAS VADIAS disse para o GauchaZH: "Se a MARCHA DAS VADIAS  se chamasse MARCHA DAS MULHERES, talvez ninguém fosse prestar atenção". Primeiro o choque, depois a reflexão.

É fato que o movimento feminista havia perdido a força com o passar dos anos. Os grupos afirmam que, com a nossa atual realidade, é necessário utilizar por vezes do choque para conseguir atrair atenção da população como um todo.

Claro que preciso entonar que alguns movimentos fogem da sanidade. Não faço parte da MARCHA DAS VADIAS, mas apoio a causa. Porém, na minha opinião, muitas movimentações chocam pelo desrespeito e não pelo ideal. Mas isso leva a julgar o movimento como um todo? Claro que não! Afinal, qualquer pessoa pode ser feminista, não existe uma faculdade ou um estatuto. Assim sendo, existem diferentes pensamentos para o meio de se conquistar um ideal.

Até mesmo num grupo de blogueiros existem abordagens distintas, como não poderia existir num movimento mundial?

FEMINISTAS SÃO CONTRA A GRAVIDEZ, POR ISSO DEFENDEM O ABORTO?
Não!!! No feminismo a mulher pode ser o que quiser e fazer o que bem entender. Inclusive ser mãe. Existem várias mães e donas de casa adeptas ao movimento.
"O feminismo deve abraçar aquilo que enquanto Pessoa queremos fazer – desde que não prejudique outrxs, obviamente. O que não deve acontecer é impingirmos a alguém a reprodução – o que também não deve acontecer é anularmos as lutas de quem escolhe “ter” crianças." - Blog O Clitóris da Razão
Eu quero me casar e ter filhos e sou feminista. A descriminalização do aborto não é reivindicada por ódio à vida, como pregam por ai.


No Brasil, muitas mulheres morrem ou ficam com sequelas ao buscar por métodos ou clínicas ilegais de aborto. Segundo a OMS, mais de um milhão de mulheres se submetem a abortos clandestinos.

Descriminalizar não significa apoiar a facilidade do ato, tão pouco favorecer o casal que não planejou ter filhos a matar um feto inocente. O que a maioria defende é que, com sua legalização, teríamos dados concretos para identificar as causas para se fazer um aborto e ainda, uma política de planejamento familiar e acesso a informação.

Essa é a questão que mais atrai negativas ao movimento. É necessário entender que tal reivindicação vai muito além de legalizar. Exige leis, cautelas, estudos... Pede por discussões, por estimativas.

Querem saber mais? Clique AQUI e AQUI.

O FEMINISMO ABOMINA A FIGURA MASCULINA?
Mil vezes não!!! No movimento existem mulheres com orientações sexuais distintas, e não posso esquecer de citar que ainda temos trans; mas amamos os homens! Seja a figura paterna, o namorado, o marido, o irmão...

Não aceitamos a ideia do machismo, em sermos diminuídas por eles e ainda em sermos vítimas de agressões, regras culturais, abusos, etc, impostas por alguns indivíduos do sexo masculino.
ENFIM...
O feminismo prega por igualdade. Luta para mostrar que nós mulheres temos o poder de sermos o que quisermos e fazermos o que bem entendermos.


Quer se depilar, isso te faz feliz? Ótimo, você terá o apoio do movimento!!

Não quer se depilar, afinal a maioria dos homens não se depilam - isso te faz feliz? Ótimo, você também terá o apoio do movimento!

Quer se casar e não trabalhar mais? Isso vai te deixar completa? O movimento apoia!

Não vai se casar e não quer ter filhos? Isso te deixará completa? O movimento apoia!
Resumindo, prega-se que: faça o que quiser, a sociedade não pode te julgar por suas escolhas. Nada deverá ser impedido pelo fato de sermos mulheres.

Outro ponto pregado pelo feminismo é a SORORIDADE. Sabem o que é isso? É uma aliança feminina baseada em empatia, força e companheirismo. É nos unirmos. É demonstrar respeito umas pelas outras. Não julgar. É OUVIR e dar VOZ às mulheres mesmo que não esteja de acordo. É parar de competirmos umas com as outras. É não usar de termos ofensivos a outra mulher por seu comportamento sexual (afinal, não vemos homens se chamando uns aos outros de vadios pelo número de transas que colecionam).


Nenhuma mulher precisa ser feminista, mas todas precisam reconhecer a importância do movimento.

Eu sou feminista porque... Acho que já está bom por hoje, né? Vou deixar pra completar essa frase em outro post, pois tenho certeza que já causei demais.

Fontes de Pesquisa:

Espero que tenham curtido, mas acima de tudo, espero que tenha conseguido esclarecer o tema. Eu sigo muitas páginas na internet, mas vou citar uma que traz dados estatísticos e situações cotidianas para se pensar em como o movimento é necessário. Curtam Ventre Feminista.

Sugestões para leitura:
Vacas - Livro


16 comentários:

  1. Oi Bia!
    Não entendo mto do assunto, leio bem pouco sobre, tenho vontade de ler alguns livros do gênero, até pq pra entender melhor de um assunto tão bacana....
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aline! Eu ainda sou uma iniciante no assunto, mas consigo enxergar bem o que é o movimento. E a melhor forma de entender é justamente procurando por leituras e informações.
      Beijos

      Excluir
  2. Eu acredito que estejamos vivendo a era do Feminismo. E isso não deveria acontecer! Não precisaríamos toda essa revolução se tudo fosse igual desde o começo!!! As coisas tinham por obrigação serem iguais, penso eu.
    Lutar, brigar, guerrear por algo que deveria já ser uma Lei Decretada.
    Não entendo muito do tema, apenas o básico do básico, mas o suficiente para saber que cada um é dono de si e por isso, deve sim, fazer e pensar da maneira que desejar e quiser!
    Adorei o post inteiro sobre isso e mesmo assim, ainda falta coisa demais. Isso serve para que procuremos nos informar bem e aí sim, levantar nossas bandeiras de luta!!!
    Parabéns!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amore! Concordo. Infelizmente, a desigualdade permanece.
      Obrigada, é muito importante saber se vocês curtiram ou não, afinal são vocês que mandam nisso tudo! rsrs
      Beijos

      Excluir
  3. Esse é um tema muito importante para nós mulheres, pois embora muitas coisas tenham mudado dos anos passados até aqui, ainda sofremos com certos preconceitos por sermos mulheres. É importante lutarmos por igualdade,é tão triste ver no jornal que uma mulher foi abusada na condução, estuprada, que foi agredida ou morta pelo namorado/marido. Espero um dia que este tipo de agressões parem e que os responsáveis sejam devidamente punidos. Uma coisa bacana é que as mulheres estão ganhando cada vez mais espaço no mundo corporativo, eu já trabalhei numa empresa que faz parte de um grupo composto por outras empresas na área de TI e a fundadora é uma mulher. Espero que a cada dia conquistemos mais e mais coisas boas e que tenhamos reconhecimento por isso!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Karina! Com certeza. Apesar de todas as conquistas, ainda sofremos preconceito. As conquistas existem, temos mulheres que estão ai servindo de exemplo, grandes empresas que nos valorizam; mas ainda merecemos mais!
      Beijos

      Excluir
  4. Oi Bia, tudo bem?

    Vou ser bem sincera, porque sempre tive dúvida sobre o movimento feminista. Claro que entendia que era busca dos direitos da mulher igual ao homem, mas lia e assistia tantos absurdos, quanto coisas legais e sua postagem foi completamente esclarecedora. Acho que as pessoas deveriam pesquisar mais para saber mais. Antes de julgar e depreciar algo que ajudou a mulherada e muito. Claro que tem muita coisa ainda que precisa mudar e melhorar... mas tudo o que tem acontecido, já foi muito bom... só não podemos ficar acomodadas. Um xero!

    https://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dih!
      Foi devido a tantos absurdos que li por ai que resolvi escrever sobre o tema, e fico completamente satisfeita em saber que consegui cumprir meu objetivo em esclarecer a realidade do movimento.
      Beeijos sua linda!

      Excluir
  5. O machismo no cotidiano faz parecer que a supremacia masculina é comum, mas não é.
    Não podemos aceitar mais a posição de opressão, estamos classificadas entre as minorias, mas não somos minoria.

    ResponderExcluir
  6. Oi Bianca ;)
    Que post lindo, estou aplaudindo! As vezes o machismo está tão impregnado em nossa sociedade, e até na nossa própria família que fica difícil para algumas pessoas entenderem que isso não é normal e aceitável!
    Já ouvi e vi diversas situações que me deixaram que nem a Lisa no gif viu!
    Mas enfim, adorei sua iniciativa de falar mais sobre o assunto, e adorei esse Papo Femininja ;)
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Isabela!
      Ahh muito obrigada! A aprovação de vocês é essencial para que a coluna se firme.
      Eu não consigo entender porque é tão difícil esclarecer que não é normal os homens serem considerados superiores.
      Beijos

      Excluir
  7. Oi, Bianca!
    Gostei muito da post. Acho importante informar cada vez mais a todos o que é o feminismo é o que nos queremos na realidade! Sem dúvida é super importante temos mais e mais pessoas divulgando o papel do feminismo para todos na sociedade.
    Bjoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marta! Obrigada, fico muito feliz em saber sua opinião a respeito e mais feliz ainda em ver que aprovou a temática aqui no blog.
      Beijos

      Excluir
  8. Bia!
    Assunto importante mesmo para ser discutido, ainda mais em época que estamos tendo o empoderamento feminino, mas temos de ser feministas sem deixar de sermos femininas...
    Que dezembro seja repleto de realizações e o final de semana cheio de luz e paz!
    “Dentre os mais dignos predicados de um homem está o de saber dizer a verdade.” (Renato Kehl)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rudy!!
      No feminismo a mulher pode ser o que quiser, com ou sem vaidade. E realmente é muito importante discutirmos esse assunto.
      Obrigada ♥
      Beijos

      Excluir

© PAUSA PARA PITACOS - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: RENATA MASSA | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo