Menu em imagem

Image Map

22 outubro 2017

{Hora da Pipoca!} ~ IT - A Coisa _ 1990 x 2017 ~

Olár,  seus lindos!
Como estão?
Curtiram muita preguiça neste domingo absurdamente quente?
É isso aí. Começou a temporada de "Fabi reclama do calor constantemente". Odiar o calor é bom, mas falar mal e reclamar dele é ainda melhor. Mas não foi sobre ele que eu vim falar. Foi sobre um assunto muito tenso também - aliás, tão tenso quanto.


Inicialmente eu pensei em fazer uma resenha sobre o filme, mas ele ficou tão tão no hype que falar dele a essa altura do campeonato seria mais do mesmo.

Eu poderia ter feito uma resenha assim que o assisti? Sim, poderia, de fato. Mas o problema foi o de sempre: o meu pavor por esses seres endemoniados de cara pintada não me permitiu. Eu sentei para fazer uma resenha descente do filme umas 458 vezes, mas no fim, eu só via a Fabi medrosa falando do filme, e não a Fabi que adora dar pitacos. Agora que estou mais habituada com o assunto, resolvi trazer algumas curiosidades e também fazer um comparativo entre a adaptação de 1997 e seu remake, lançado este ano.


No post em que contei para vocês quem foram os atores que interpretaram os mais famosos monstros/vilões/assassinos do cinema trevoso, soubemos que quem viveu Pennywise em 1997 foi Tim Curry, e que em 2017, ele passou a bola para Bill Skarsgard. Mas a mudanças não pararam por aí. O visual do atual palhacito está bem diferente, não tendo quase que nenhum traço do anterior.

O primeiro se aproxima do que já conhecemos dos palhaços: roupas coloridas, maquiagem pesada, sorriso afetado e roupas extremamente coloridas. Já no remake, o personagem ganha uma aparência mais aterrorizante. Sua roupinha da época da Renascença, remetendo às eras medievais e vitorianas, segundo o diretor, tem o intuito de mostrar que A Coisa vive além dos tempos e que ela é velhiiiiiinha pra daná. Eu a achei meio esquisitinha, mas no fim das contas, acabei de me acostumando.

O olhar insano e o sorriso demoníaco continuam presentes, mas claro, cada um a seu modo. Cada ator deu uma personalidade diferente às feições de Pennywise, cada um adotando uma abordagem diferente. Curry deu um ar de inocência misturada com maldade, fazendo com que, ao meu ver, os palhaços da vida real se tornassem ainda mais assustadores. Já Skarsgard foi mais sombrio, dando um quê de horror diferente, não demonstrando em qualquer momento aquela inocência alegre presente nos seus colegas de narizes vermelhos.

A pergunta que não quer calar: qual dos dois foi o seu preferido, Fabi?
- Bem, acho que cada um tem o seu glamour - que irônico usar essa palavra para descrevê-los, rs -, cada um tem, em sua composição, algo que me chamou muito a atenção; mas, no fim das contas, achei o da versão de 2017 mais assustador, apesar de achá-lo caricato demais.


It - A obra-prima do medo foi lançado como minissérie e depois juntaram tudo e fizeram o filme ao qual temos acesso hoje. É um filme longo, mas ele já retrata praticamente tudo o que aconteceu no livro - o embate do Clube dos otários quando eles ainda eram crianças e o embate que aconteceu na fase adulta, 27 anos depois. Já IT- A Coisa foi dividido em duas partes. A primeira trouxe o embate das crianças, e o próximo trará o encontro de Pennywise com a versão adulta de cada um deles.

Eu achei a estratégia interessante e ousada, mas o risco disso dar errado é grande. Manter a linha de raciocínio e qualidade do que foi apresentado no primeiro filme não será fácil, e acredito que as comparações entre o Pennywise de 2017 com o do próximo filme, previsto para 2019, serão inevitáveis. Precisamos torcer para que Skarsgard não se esqueça de todos os trejeitos e maneirismos do personagem.

Achei as crianças da primeira adaptação mais unidas e mais parecidas com o que imaginei quando li o livro. Suas particularidades foram mais bem conservadas, enquanto as do remake foram bastante modificadas, principalmente as da garota, Beverly. No livro ela é uma garota tímida, pobre e que tenta ser invisível, e tais características foram inseridas na adaptação. Já no remake ela é ousada, sensual, algo que - me corrijam se eu estiver errada - não me lembro de conter em sua personalidade.





Na primeira versão meu personagem preferido era o Ben, por motivos de: #PQSIM. Já no remake, Richie Tozier, vivido por Finn Wolfhard foi a grande estrela - depois do palhaço dançarino, é claro. Suas piadinhas e seu senso de humor deram muita liga àquele grupo que ao meu ver é tão desunido, sem contar que ele foi capaz de me arrancar boas risadas, algo que eu julguei ser impossível devido à tensão causada por minha coulrofobia.


Eu espero que acertem na escolha dos atores que irão interpretar O Clube dos Otários quando adultos, pois na primeira versão, não foi tão bom quanto eu gostaria. Enquanto na infância eles demonstraram uma super união, com uma amizade e amor perceptíveis e palpáveis, na fase adulta, na adaptação, eles agiram como se fossem desconhecidos, não tiveram aquela empatia, aquela união tão bonita da infância. Fica a dica para os diretores!


- O livro que inspirou o filme foi publicado em 1986.

- O autor Stephen King viu o filme seis meses antes da estreia. Ele disse que os realizadores fizeram um excelente trabalho, e fez questão de assistir o longa novamente quando ele teve sua estreia mundial.

- 27 é um número mágico - ou não! - para a produção. O filme foi lançado 27 anos depois que a minissérie foi lançada, e A Coisa costuma hibernar por essa quantidade de anos voltar para saciar a sua fome. O ator Jonathan Brandis, que fez o papel de Bill na versão de 1990, se suicidou aos 27 anos. E adivinha só quantos anos o ator que interpreta Pennywise tem? Isso aí, 27. Coincidência? Sei não...


- O primeiro trailer do remake foi visualizado por 197 milhões de pessoas nas primeiras 24 horas, superando a marca de Velozes e Furiosos 8, que foi de 139 milhões.

- Os fãs do original sugeriram que o elenco adulto fosse composto por aqueles que atuaram como criança na minissérie - à exceção, infelizmente, do falecido Jonathan Brandis. A ideia está sendo avaliada, e alguns dos atores demonstraram interesse em repetir o papel. Isso seria lindo, hein?

- Antes de Skarsgard assumir o papel, vários outros atores foram cotados: Johnny Depp, Tilda Swinton, Richard Armitage, Tom Hiddleston, Jackie Earle Haley, Jim Carrey, Kirk Acevedo, Willem Dafoe, Paul Giamatti, Hugo Weaving, Doug Jones e Channing Tatum. Will Poulter foi o mais imaginado para o papel de palhaço dançarino, mas os realizadores queriam alguém que não fosse apenas assustador, mas também tivesse o carisma de um palhaço. Tim Curry foi convidado para interpretar o palhacinho do demônio, mas seu estado delicado de saúde o impediu de viver Pennywise novamente.


- Na cena do quarto dos palhaços, quando o coulrofóbico Richie Tozier (Finn Wolfhard) tem que enfrentar seus medos, há um boneco com a aparência do Pennywise de Tim Curry no ambiente. A homenagem foi fofa, né? Eu curti.


- E por falar nisso, Finn Wolfhard realmente tem medo de palhaços. Esse personagem será, sem dúvidas, um grande marco em sua carreira, hein. Isso é que é enfrentar os medos!

-  O diretor deixou o Skarsgard isolado de toda a produção com o intuito de chocar o elenco infantil, e deu certo. Teve até gente chorando nos sets de filmagem. Maldade!


- A cidade de Derry, uma das protagonistas da trama (sim, ela é uma das protagonistas, e para entender melhor essa treta, leia a resenha), realmente existe e fica nos EUA.


- O presidente da Associação Mundial dos Palhaços declarou que muitos palhaços estão perdendo o emprego em virtude do filme. Várias e várias apresentações foram canceladas, e isso fez com que King se desculpasse em seu Twitter. Mas, mesmo pedindo desculpas, ele se defendeu: "As crianças sempre tiveram medo de palhaços.".


E para fechar, queria só falar um pouquinho da minha experiência com ambas as adaptações. Ambas me deixaram apavorada, foi muito difícil pra mim chegar até o final. Assisti a primeira no trabalho, sozinha. Levei dois dias para concluir. Não, não foi por ter trabalho demais para fazer. Foi por medo mesmo. Já a segunda eu consegui ver de uma vez, mas fiquei praticamente o dia inteiro por conta. Tive companhia, mas confesso que nem isso diminuiu o meu pavor - embora ter uma mão para apertar se mostra bem benéfico nessas horas, rs.


Houve muita modificação em relação ao livro, é fato, mas pela primeira vez esse detalhe não me incomodou. O que me incomodou, talvez, tenha sido a sensação de que o impacto do remake em quem leu o livro é bem maior e mais significante do que para quem não o fez. É possível entender toda a trama e ver o quão complexa e bem feita ela é, mas para os leitores, o impacto será diferente, acho.

Em suma, eu gostei muito dos dois. Ambos têm seus pontos fortes e fracos, mas vale ressaltar que no remake há mais pontos fortes do que fracos. Foi uma adaptação linda de se ver. Acho que os fãs do gênero irão curtir muito.

Ah! Um alerta: se você espera algo mais gore, provavelmente não irá achar tudo isso que estão dizendo por aí. É sabido que a especialidade de King é o terror psicológico, e as adaptações - principalmente a de 2017 - mantiveram essa vibe, para a noooooossa alegriiiiiaaaa.

Senti o mesmo orgulho que senti ao terminar o livro. Me senti muito fodona corajosa quando terminei de assistir, pois enfrentar nossos medos nunca é uma tarefa fácil, mas quando o fazemos, a gente se sente muuuuito bem, concordam?


E depois desse post imeeenso, eu me despeço de vocês. Acabei me empolgando, mas espero que tenham gostado, principalmente das curiosidades. Falar sobre algo que gostamos tende a dar nisso, né? Em empolgação exacerbada. Sorry! 😌

Me conta aí nos comentários se você já assistiu algum deles e o que achou!
E podem ficar à vontade para se empolgar também! Não sei se eu já comentei aqui, mas eu adoro comentários enormes! Hahaha

Bye, pipows!
Beijinhos!


22 comentários:

  1. Bem, eu só não consegui ler o livro ainda. Mas vi as duas adaptações que foram feitas para o cinema e concordo em praticamente tudo que foi falado(escrito) acima.
    São meio que duas versões diferentes sobre o mesmo livro. Cada uma trazendo sua marca.
    O primeiro filme foi muito inovador para a época e cá entre nós, se minha memória não falhar, mais de 3 horas de duração. Foi ficando meio tedioso(ao menos, eu achei)
    Sou uma medrosa nata, daquelas que vê filmes assim de dia, porque sei que se ver de noite, não prego o olho.
    Mas palhaços nunca me assustaram.
    Já o filme mais recente, eu me assustei de fato. Logo no início a gente fica meio de cara na tela, tipo assim: Mestre King vai me matar do coração. O filme vai correndo e nosso coração meio que acompanhando o ritmo.
    Esse terror "psicótico" que só ele consegue nos fazer sentir, ainda me apavora.
    Falha? Eu não encontrei nenhuma. E espero poder ler o livro e rever o filme também.
    Ah..e que graça teria um post pequeno para falar sobre algo tão grandioso??rs
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menina de Deus... eu queria poder dizer que os palhaços não me assustam também! Assisto filmes tenebrosos e horripilantes de madrugada, durmo de boas e tudo o mais.. mas os palhaços me fazem perder o prumo!
      Acho que ambos os filmes tiveram mais de duas horas de duração... não sei ao certo pq levei muito mais tempo do que isso para ver ambos, haha. E sim, vi o segundo em casa, piratão mesmo (feio, eu sei), pois eu sabia que não teria maturidade nem coragem para assistir no cinema!
      E King é realmente o mestre do terror psicológico!

      Beijocas

      Excluir
  2. estou super afim de ir ver o filme,vi a entrevista dos diretores q fizeram o novo filme, achei super interessante, tbm não tenho medo de palhaços, bjos horasnoespelho.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu queria poder encher a boca para dizer que eu não tenho medo de palhaços também... hhshahhahahaa

      Beijocas

      Excluir
  3. Olá...
    Infelizmente não assisti nenhuma das adaptações pois quero ler o livro primeiro...mas eu gostei mais do palhaço na versão de 2017...nao dei o pq mas gostei muito dele...essa coisa com o número 27 me assustou nossa que coisa deixá...parabens por ter conseguido ler o livro e ter assistido ao filme apesar do seu medo de palhaços...adorei o post...
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu assisti as duas adaptações somente depois de ler o livro, Karol. Acho válido vc fazer o mesmo. Muda nossa visão, sem dúvidas!
      Acho que ambos têm o seu charme... ambos me assustam... mas o primeiro assusta ainda mais!

      Beijocas

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Oi Fabi!
    Sobre o calor: onde eu moro definitivamente abriram as portas do inferno! Rsrs Você não imagina como aqui é quente.
    Eu ainda não assisti a essa adaptação, só a primeira e já faz um bom tempo, quero ler o livro primeiro para depois assistir.
    Eu particularmente prefiro roupa e maquiagem do Pennywise novo, é bem mais assustadora e como você disse, o primeiro já é mais como os palhaços tradicionais que já conhecemos.
    Adorei as curiosidades, assim que assistir venho te contar o que achei das diferenças das duas adaptações!
    Parabéns, você deve ter morrido de medo e ainda assim assistiu kkkk que orgulho!
    Ah, sou a favor do King, as crianças já tinham medo de palhaços bem antes disso kk
    Bj :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a minha cidade fica ao lado do sol, Vi, não tem condições! Socorro.
      Realmente eu morro de medo ao assistir os filmes... orgulho define! shIUAhsuiHAUIsha

      Beijocas

      Excluir
  6. Faço parte das medrosas de plantão, então desde já parabéns pela coragem...Filme não tenho ânimo paraver, me assusto com tudo. Qualquer coisa eu acho que vai aparecer " a coisa".Mas como comentei por aqui, quero ler sim It, e depois ter mais coragem ainda para poder ver o filme. Amei demais tua postagem de comparações ( claro que ainda não vi nenhum deles), e que me assustei só de ver os gifs =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que depois que a gente lê o livro fica mais fácil, Mi! A gente meio que já se prepara para o que vai acontecer no filme. Espero que seja tao corajosa quanto eu e leia e assista!

      Beijocas

      Excluir
  7. Me sinto um pontinho pequeno e minúsculo em meio a multidão de geral que assistiu a nova versão kkk. Quero muito ver as duas, o difícil é encontrar a versão antiga pra assistir também. Mas pretendo ler o livro antes, estou esperando abaixar o hype (e o preço porque né...) pra garantir o meu. Curti muito as curiosidades, abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não se sinta assim, Marcos! Eu faço parte desse potinho sempre. Todo mundo fica alucinado quando um filme do hype é lançado, e normalmente, eu o assisto só duzentos anos depois!
      Este foi uma exceção graças ao meu namorado, do contrário, eu ainda estaria dentro do potinho também! shIUAHsui

      Beijocas

      Excluir
  8. Nesse post minha opinião é mínima pelo simples fato de nunca ter visto os filmes e nem ter lido o livro, então... O que posso dizer? rsrsrs. Pretendo ver o filme, pelo menos o novo em breve, e se Deus assim permitir vou ganhar o livro de uma blogueirinha muito linda rsrsrs.
    Sobre palhaços, eles não são criaturas boas, sem mais! E o tio King não tem culpa de só ter mostrado ao mundo oq todos já sabiam lá no fundo, palhaços são apavorantes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Torcendo para que essa blogueirinha lhe dê o livro sim, shIAhiusHAUIshAs
      E super concordo: palhaços não são criaturas boas e são apavorantes! Socorro!

      Beijocas

      Excluir
  9. Oi Fabizinha, tudo bem?
    Eu estou tão louca para conhecer esta estória que nem sei. Adorei sua comparação, e é bom saber que ambas as adaptações tem seus pontos positivos e negativos. Gostei muito das curiosidades, mas fiquei intrigada com esse número 27 aí. Assim que eu conseguir ler o livro (que eu vou ganhar de vcs #tenhafé rsrsrs) quero assistir as duas versões.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenha fé mesmo Lara! Hahhaha
      E quando for assistir e ler o livro, segura na mão de Deus e vai, menina! Pq as coisas são tensas demais! hsiuHAuishAs
      E essas tretas do número 27 me assustam sempre, afinal, essa "maldição" já é conhecida no mundo do rock também, né?

      Beijocas

      Excluir
  10. OI Fabi.
    EU ainda não li o livro e nem assitir o filme.
    Porém fique feliz em saber que os detalhes que mudaram na adaptação, não foi algo que te incomodou, issoé algo que ao meu ver é bem positivo.
    A cosia toda do número 27 é bem bizarra e estou um outro com um pouquinho/muito medo disso rsrsrs.
    Quando eu enfim ler, pretendo assistir as duas versões (se meu medo deixar, claro), enfim, realmente te admiro pela coragem.
    Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando for ler/assistir, segura na mão de Deus e vai, Marlene! POis vale a pena demais da conta! Tudo maravilhoso - e apavorante! Vale o esforço!

      E essa treta do número 27 é realmente assustadora, né?
      Essa "maldição" já é velha conhecida..

      Beijocas

      Excluir
  11. Oi! Devo dizer que to bem assustada aqui com essas imagens e gifs. E, depois desse post, não quero nunca mais ver o numero 27 na minha frente hahahah Não sabia que inicialmente a obra tinha virado uma série. Fiquei curiosa para saber se ela ainda existe. Enfim, ainda não li o livro pois estou tentando arrumar tempo, mas espero amar! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabi, a série foi transformada em filme e está disponível até no youtube, se não me engano. O nome é IT - A obra-´rima do medo, e também está disponível nesses sites em que podemos ver filmes online, sabe?
      ASsiste e depois me conta!

      E corre do número 27 mesmo!
      shUIAhsuiahs

      Beijocas

      Excluir
  12. Oi, Fabi!!
    Para falar bem a verdade ainda não assisti nenhum dos filmes!! Pois, é!! E olha não tenho medo de palhaço não!! E por que gostaria de ler o livro primeiro, mas até o momento fiquei só nos trailer do segundo filme mesmo.
    Bjoss

    ResponderExcluir

© PAUSA PARA PITACOS - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: RENATA MASSA | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo