Menu em imagem

Image Map

18 abril 2017

{Momento Geek} ~ 13 Reasons Why ~

Hey! It's Fabi. Fabi Carvalhais.
Sit down, beacause I'm going to tell the story of Hannah Baker's life.

É isso mesmo que vocês leram. Eu assisti uma série! Kkkkkkkkkk
A verdade é que eu paguei língua duas vezes. Uma por assistir uma série que não fosse Supernatural, e a outra por ter me rendido à modinha. Pra quem não sabe, normalmente eu costumo esperar a poeira baixar para me render a algum livro/série que estão na moda, assim, evito expectativas. Eu deveria ter feito isso novamente.




Assistido em: Abril, 2017.
Título: 13 Reasons Why
Criador: Brian Yorkey
Adaptado de: Os 13 porquês (título do livro em português)
Temporada/Nº de episódios: Primeira (e única?) temporada, com 13 episódios de cerca de 60min cada.
Gênero: Drama
Avaliação: 
Sinopse: Uma caixa de sapatos é enviada para Clay por Hannah, sua amiga e paixão secreta e platônica de escola. O jovem se surpreende ao ver o remetente, pois Hannah acabara de se suicidar. Dentro da caixa, há várias fitas K7, onde a jovem lista os 13 motivos que a levaram a interromper sua vida - além de instruções para elas serem repassadas para os demais envolvidos assim que forem ouvidas.
Hanna Baker decide se suicidar. Ela já não tem mais forças para passar por tudo o que tem passado, e após aparentemente ponderar o assunto, ela acaba chegando às vias de fato. Mas antes, ela grava 13 fitas K7. Cada uma dessas fitas relata um dos porquês de ter feito o que fez. Cada uma dessas fitas está destinada a uma pessoa em particular. E uma dessas pessoas é Clay Jensen.

Clay é um nerd raramente notado pelas pessoas que estão à sua volta. Ele é um cara pacato, gente boa, invisível. A primeira pergunta é: se Clay é tão boa praça assim, por que diabos ele está nas fitas? Bem, isso eu não posso dizer... mas posso relatar alguns fatos que, talvez, possam te dar alguma ideia de seus motivos.


Hannah e Clay acabam se tornando amigos. A amizade deles é linda de se ver, te juro. Trabalharam juntos, estudaram juntos, conversaram abertamente sobre banalidades, se deram bem pra caramba quase todo o tempo. Mas há mais do que carinho nessa amizade. Há amor. Clay ama Hannah Baker, e ouvir tais fitas tem acabado com sua alegria, sua sanidade, seu coração. É por isso que ele está nas fitas? Eu não posso dizer, é claro, mas é preciso ter esse detalhe em mente para conseguir chegar até o fim da temporada. Vai por mim.


Os demais "porquês" são pessoas que, de alguma forma, passaram pela vida de Hannah. Ela não é das mais populares, mas alguns acontecimentos aqui e acolá mudaram isso - negativamente. Nossa protagonista sofre bullying dos colegas de colégio e não sabe lidar com eles... e este bullying traz consequências graves - e eu não estou falando somente do suicídio.

Cá temos uma série curta e que tem seu peso, sua importância. Mas antes de destrinchar isso, vamos a algumas outras coisinhas. Antes de mais nada, queria dizer que fiquei admirada e positivamente surpreendida com a profundidade de cada um dos personagens. Normalmente é difícil entender e conhecer os personagens de uma série em tão pouco tempo, mais difícil ainda é criar empatia por eles. Mas aqui conseguimos conhecer suas qualidades, defeitos, medos e anseios rapidamente, o que ajuda e muito a ir até o fim. Estou dizendo isso de novo por que eu senti muuuuita dificuldade de ir até o final - acho que isso ficou claro, né? Pois é.


Como relatado ali em cima, cada um dos "porquês" têm que ouvir as fitas em sequência e depois passar para o "próximo porquê". Clay é o número 11. Ele demora absurdamente para ouvir as tais fitas, e isso me deixou extremamente irritada. Sempre que ele ouvia algo, ele ia questionar o alvo da situação, mesmo sabendo que a maioria das respostas que ele procurava estava ali na fita, e fim de papo. Sei que foram os questionamentos dele que nos proporcionou a oportunidade de conhecer cada um dos personagens e também os seus possíveis motivos para terem feito o que fizeram, mas ainda assim isso me deixou beeeeem cansada. Entendo também que essa é a jogada dos produtores: enrolar pra segurar o suspense até o final. Mas repito: achei isso um saco.

A série aborda assuntos complicados de uma  maneira muito franca e direta, e isso é inegável, mas por vezes senti que a futilidade de algumas coisinhas acabaram tendo notoriedade demais. Acho que focaram demais em assuntos como bullying e os abusos sexuais e se esqueceram de falar de outras coisas que são tão importantes e impactantes quanto. Esqueceram-se também de levar em conta as coisas boas pelas quais Hannah passou/viveu, dando destaque somente aos infortúnios, e parece que isso foi meio que proposital, como se a intenção fosse ver somente o lado ruim de tudo para que o suicídio da protagonista fosse justificado. E foi aí que perderam as minhas cinco estrelas. Esqueceram de mostrar que NADA JUSTIFICA O SUICÍDIO, independente do que tenha acontecido.


Não estou banalizando os percalços pelos quais as pessoas - principalmente os jovens - passam hoje. Não sou insensível a ponto de não me compadecer da dor dos outros, de forma alguma. Aliás, estudei muito para entender e tentar ajudar pessoas com problemas psicológicos, por isso, não pense que sou um monstro. Eu só quero apontar aquilo de importante que ficou de fora, pelo menos ao meu ver.

Comentei ali em cima que os personagens tiveram suas personalidades super bem construídas, e isso nos possibilitou ver o quão injusto foi alguns deles estarem naquelas fitas. Alguns mereceram, claro, mas outros, sinceramente, não deveriam estar ali, não deveriam sentir que, de alguma forma, foram responsabilizados pelo suicídio de Hannah. Mesmo as coisas realmente impactantes, como os abusos sexuais, não deveriam ser tratados como motivos para tanto, eu acho. É algo atroz, monstruoso, algo que pode acabar com a pessoa para sempre... mas, como eu já disse, nada justifica o suicídio.

Eu gostaria de ter visto uma série que abordasse tudo isso que foi abordado, sim, mas queria que outras coisas fossem levadas em conta, principalmente por ter um público alvo tão diversificado e sensível. Eu queria ver uma Hannah que realmente ponderasse as consequências de seus atos. Queria ver uma Hannah mais forte, que ao menos tentasse lutar. Queria ver uma filha que pelo menos uma vez se preocupasse em como seus pais ficariam nessa história. Eu queria ver uma personagem que tentasse ser corajosa, que tentasse se colocar no lugar de todos aqueles que sentiriam a sua partida. Repeti demais a palavra "tentasse", eu sei. Acho que ficou claro o quanto eu queria ver mais "tentativas", num ficou?

Falar é fácil, sei melhor do que ninguém. Mas o que vi foi uma adolescente sofrendo pra caramba e que antes de procurar outros meios de se reerguer, optou por aquilo que julgou ser mais fácil. Aí aqueles que assistiram a série podem me dizer "ah, mas ela procurou ajuda sim! Ela foi até o conselheiro lá do colégio". Verdade. Mas ela parou por aí.

O que eu estou tentando dizer é que pra mim foi uma série fraca, apesar de todos os pontos fortíssimos que eu apontei. O que quero dizer é que não entendi o por que de tanto estardalhaço. Quero dizer que, como uma pessoa que já passou por merdas coisas muitoooo ruins e superou, faltou "porquês" mais cabíveis. A maioria dos motivos dados, pra mim, só deixou claro o quão covardes as pessoas podem ser diante de situações que as amedrontam e ridicularizam no início. Deixou claro que as pessoas estão desistindo muito facilmente de lutar, que é mais fácil justificar do que ajudar.

As pontas soltas também me incomodaram ao extremo. Ficou bem nítido que há a intenção de uma nova temporada, mas aí fica a pergunta: por quê? Tendo em vista que todos os envolvidos já ouviram as fitas, em quê irão basear a nova temporada? Em amarrar as pontas soltas, tá, mas aí não seria mais "13 Reasons Why", concordam? Não vejo motivos para não terem concluído tudo ali, e isso também influenciou na perda das estrelas da minha avaliação.

Provavelmente eu serei mal interpretada, até porquê talvez eu nem tenha me expressado bem (isso acontece sempre que um tema mexe muito comigo, como vocês bem sabem), mas eu só queria deixar claro com o que eu discordo na série, e isso não quer dizer que eu não saiba enxergar todo o seu valor e toda a sua importância. Só espero que os jovens que assistiram e que passam ou passaram por coisas parecidas tenham o discernimento de ver que algumas coisas na vida são injustificáveis, e que o suicídio é uma delas.

E perdão pelo textão, mas eu precisava falar. E, acreditem, tudo o que foi dito não foi infundado. Já vivi o suicídio de perto, muito perto... perto demais. E é por essas e outras que reitero: ele não é uma saída. Viver é difícil, mas vale a pena.



23 comentários:

  1. Oi, Fabi!
    Textão! Mas muito bem escrito. Não assisti a série (e nem pretendo) e também não pretendo ler o livro. Realmente é um tema muito difícil, mas concordo com suas palavras. Nada justifica. A vida é o nosso maior presente, mesmo que muitas vezes enfrentamos dias ruins.
    Aqui na minha cidade/região, seguidamente acontece suicídio de jovens e adultos também. Por mais diversas situações. Nunca me aprofundei sobre o tema, mas acho tudo muito chocante e triste.
    Quanto a série, não posso opinar muito, afinal, não assisti. Mas confio na sua crítica e com certeza teria um pensamento muito parecido com o seu.
    Beijos no coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente tudo chocante demais, Márcia! É preciso tato pra falar sobre o assunto, ainda mais no caso dessa série, que caiu nas graças das pessoas. Eu espero que todos a vejam como ela deve ser vista, mesmo depois de todos os problemas que eu citei ali.
      Pelo menos acho que agora as pessoas estarão um pouco mais atentas às pessoas que estão à sua volta... acho.

      Beijoccas

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Oi Fabi, tudo bem? Eu gostei bastante da série - foi a primeira série que assisti -, apesar de até agora estar tentando entender o motivo de o Clay estar nas fitas, hehehe. Gostei de saber da sua opinião!

    Beijos,
    http://duaslivreiras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não entendi, Larissa!
      Mas acho que o Clay é que amarra todo o pseudo mistério da série. Eu fiquei tipo WTF quando chegou na fita dele.. fiquei muiiiiito brava, sério! Rs

      Beijocas

      Excluir
  4. Oi Fabi também não sou dessas de acompanhar modinhas mas essa série eu tive que assistir porque li tantas criticas a respeito e consegui tirar minha conclusão perfeitamente a verdade é o que li muito das vezes eu não concordo com muitos mas não sou a favor do suicídio nunca jamais acho que a vários meios de ajuda e vou confessar achei o final bem fraco e esperava bem mais, e vou concordar com você nada justifica o suicídio.
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também achei o final super fraco, Mari!
      Poxa, depois de todos os esforços feitos e de todas as denúncias... acabam daquele jeito? Ah, nem... fiquei brava demais! Rs

      Beijocas

      Excluir
  5. Oi Fabi, sua linda, tudo bem?
    Que saudades de vir aqui!!!! Você é a segunda pessoa que toca em um assunto delicado dessa série que os outros não falaram: deixar claro que o suicídio não é a saída. Inclusive, li que profissionais da área estavam dizendo que a série poderia influenciar negativamente, inclusive incentivando o suicídio da forma como eles abordaram o assunto na série. Pelo o que contou, faltou amarrar a questão, faltou dar a esperança. Faltou dizer que tudo o que aconteceu está vindo à tona para denunciarmos, mas que o suicídio tem que ser denunciado também. Adorei sua opinião!!!! E sabe, o que eu mais gosto como já disse uma vez, é de toda a repercussão, precisamos falar, precisamos acabar com essas atitudes.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cila, estou batendo palmas pra vc!!! Arrasou!
      É exatamente isso: esqueceram de dar esperança.
      Eles focaram tanto nos problemas vividos por todos os personagens... se esqueceram de mostrar que a vida não é feita só de momentos ruins, mas de bons momentos também!
      E essa repercussão realmente terá seu lado bom.... assim como terá seu lado ruim. Afinal, alguns podem pensar que dar fim à vida pode ser a saída mais fácil, assim como Hannah achou.
      Torçamos para que somente as coisas boas aconteçam!

      Beijocas

      Excluir
  6. Oi Fabi!

    Arrasou, viu?
    Suuuuper concordo com você, eu li o livro e assisti à série (inclusive em breve vou postar resenha), mas o que me incomodou foi: tem muita gente superando muita coisa muito ruim mesmo; apesar do bullying, a Hannah nem é o padrão estereotipado de bullying; nada justifica o suicídio, e, muito menos, ninguém pode culpar os outros pelas decisões tomadas em relação a sua própria vida. A culpabilização me incomodou demaaaais!
    Principalmente pelo contexto da história dos outros personagens.

    Enfim, mesmo assim, gostei do livro e da série.

    Beijos.
    Alana Marques
    colecionadoresdelivross.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente o que pensei, Alana!
      Todos os personagens já sofrem pra caramba, têm seus próprios problemas e demônios e ainda assim são responsabilizados pela Hannah! Achei tudo isso egoísta demais... muito no sense! Já quero ler a sua resenha!

      Beijocas

      Excluir
  7. OI, Fabíola! Tudo bem?
    Adorei seu texto e concordo com muitas coisas que você, principalmente sobre a profundidade dos personagens. E é por concordar com você sobre essa profundidade, que acabo descordando quando você diz que não mostraram mais além dos abusos e bullying. A série e o livro focam no suicidio da Hanna, e o que ela passou até chegar ao ponto de tomar essa decisão. Mas e as coisas que Justin sofre em casa? Sofre com o abandono da mãe, a violência psicológica pela qual ela passa. E os outros personagens que sofrem com suas famílias, que te dão do bom e do melhor em quesitos bem materiais, mas mesmo assim deixam os filhos solitários? O que dizer de Bryce, que está sozinho o tempo todo, de Clay que também sofreu por ter sido o gay sem ser, por ser nerd? Também concordo quando você diz que muitos episódios foram lendo demais, talvez chatos. Mas... descordo quando você diz que a série mostra apenas uma opção, que é o suicídio. Acho que é nesse justamente no último episódio que podemos ver uma cena é repetida e mostra algo que "poderia ter sido" caso clay ou hanna tomasse uma decisão diferente.
    Acho qu eé preciso mesmo observar essa série com um olhar bem crítico, porque há muito nas entrelinhas. Há muitas pessoas que praticam bullying, difamam, agridem com palavras, mas sofrem as mesmas coisas. Não digo ser uma justificativa, mas todos aqueles jovens sofrem algum tipo de exclusão e bulling.

    Bjão (adorei o blog, estou te seguindo)
    Diego, Blog Vida & Letras
    www.blogvidaeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Diego! Bem-vindo! Tudo bem?
      Então, quando disse sobre a profundidade dos personagens, tentei englobar exatamente isso. E foi exatamente por termos conhecido todos os seus problemas que achei tão falho e tão revoltante Hannah tê-los culpado, afinal, todos ali já têm seus problemas e demônios, e ainda precisarão lidar com o fato de que uma garota que se suicidou os culpou por seus atos. Isso não soa (e não é!) extremamente injusto? Todos eles passam por seus percalços na vida e nem por isso deram cabo de sua vida...
      Enfim, o bacana da vida é de fato essa coisa de cada um ter uma visão diferente das coisas, né? Se todo mundo pensasse do mesmo jeito o mundo seria bem chato! Hahahha

      BEijocas

      Excluir
  8. Oi Fabi!
    Eu tenho muita curiosidade em ler o livro e assistir a série, mas exatamente nessa ordem.
    Até agora eu tinha ouvido apenas comentários mega positivos sobre a série, o que me deixou muito empolgada em assistir também. Porém, depois de ler a sua opinião, as minhas expectativas diminuíram drasticamente. Mas isso não é algo ruim. Muito pelo contrário!
    Prefiro assistir sem expectativas e me surpreender, do que assistir com muitas expectativas e me decepcionar depois. É que eu concordo com muito do que você disse nesse post, principalmente com a questão de que não há justificativas para o suicídio.
    Enfim, não vou opinar muito, porque não li o livro e nem vi a série ainda, então não tenho muito o que dizer. Mas o post ficou ótimo e deu para entender o que você quis dizer sim, hehehe.
    Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O ideal é realmente assistir sem expectativas, Anna, até pq muitos ficaram em cima do muro quando rola a comparação livro x série. Alguns acharam a série melhor, outros, não. Depois de ter assistido à série fiquei com vontade de ler o livro para poder fazer essa comparação também, mas aí bateu preguiça, rs!
      Antes da série eu não tive o menor interesse de lê-lo, e ter tido interesse de assisti-la foi bem surpreendente, rs!

      Beijocas

      Excluir
  9. Oie Fabi, tudo bom?
    eu confesso que assisti a série esperando que fosse do mesmo nível do livro, já que tinha muita gente falando e falando a respeito disso, mas acabou que foi meio arrastado, o tema é muito difícil e não acho que abordaram da melhor forma, até mesmo por que tem muita gente interpretando errado, meu Deus estou até enjoada da série de tanta gente falando besteira hahaha

    Beijos,
    Paixão Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também estou mega saturada do assunto e de toda a repercussão negativa dele, Ké!
      Tipo, muitas pessoas conseguiram absolver coisas positivas dela, graças a Deus, mas a maioria tem falado tanta asneira por aí que eu tô me sentindo em um tiroteio, e fico tentando driblar os tiros... mas tá tenso! Rs

      Beijocas

      Excluir
  10. Oi
    queria tanto assistir essa série, mas ainda não assisti. Uma série que aborda um tema interessante e intenso, bom para fazer quem assistir enxergar o sofrimento de quem sofre por conta de pessoas ruins.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, Denise! Ela serve exatamente pra isso, mas ao meu ver, a abordagem pecou em focar nisso. Acho que precisaria ser melhor trabalhada, mas enfim, mesmo com os percalços, parece que o objetivo de conscientização meio que foi alcançado!

      Beijocas

      Excluir
  11. Oi Fabi Linda!
    Eu adorei seu textão. Foi a análise mais franca e mais profissional da série que li até agora. Eu não assisti como você bem sabe, mas li o livro. Apesar de um tema forte, apesar de ter me tocado profundamente, eu também senti falta de uma mensagem que esclarecesse que nada justifica o suicídio. Claro que, enquanto leitora, pude compreender que ela escolheu o caminho errado, que poderia ter superado a tudo e ainda ter vivido uma linda história. Mas mesmo assim, faltou isso. E não me dava conta até ler sua opinião e refletir sobre o livro.
    Beijos
    http://lua-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Fabiii, essa série me inquietou tanto quanto a você. Suicídio é um assunto que precisa ser abordado sim e eu fiquei feliz de ver uma série tão popular falando disso, apesar das falhas. Não acho que a Hannah deveria ter desistido de viver (apesar da séria se fundamentar nisso), acredito que ela deveria ter lutado sim, porque por pior que a situação esteja, sempre há pelo que lutar. Eu fiquei com a impressão de que a série justifica o suicídio nessas situações e não pode ser assim. Mas acho que a série foi feliz pra alertar as pessoas que praticam o bullying, pra elas verem o que causam, porque ninguém nunca sabe o que o outro sente por dentro, e sim, tudo que a gente escuta nos afeta. Enfim, entre acertos e falhas, fico feliz de pelo menos o assunto estar sendo abordado. E vamos torcer pra que isso seja aprimorado e que a gente consiga mostrar pras pessoas que passam por problemas que a morte não é a solução, afinal é o que eu sempre digo, quem comete o suicídio não quer acabar com a vida, mas apenas com a dor. Tenhamos todos consciência dos nossos atos.

    ResponderExcluir
  13. Que textão maravilhoso,não assit i a série mas sei um pouco por causas dos imensos áudios de vocês, mas temos opiniões parecida. Falando como leiga, que já sofreu bullyng e muito na escola, sei que é difícil, mas eu nunca deixei isso ser maior que uma birra adolescente. Falando novamente, por alto, achei uma série para impactar por audiência e não para conscientizar. E não assisti e nem vou. Bjs.

    ResponderExcluir
  14. Oi Fabi...
    Foi um textão, mas simplesmente perfeito... Ainda não assisti à série, mas confesso que estou doida para vê-la em breve... Suicídio é um tema difícil de ser tratado e que mexe muito com todos, né? Vivi uma tentativa de suicídio muito próxima de mim também, e definitivamente quem passa por isso não é por frescura ou para chamar a atenção... Mas sim porque já atingiu o limite de suas forças... Faço das suas palavras as minhas: "Viver é difícil, mas vale a pena."
    Beijinhos...

    ResponderExcluir

© PAUSA PARA PITACOS - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: RENATA MASSA | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo