Menu em imagem

Image Map

16 janeiro 2017

{Senta que lá vem história} ~ O amigo do tabuleiro ~

Oie, pipows!
Como estão?

Todo mundo animado pra mais uma semana? Eu estou!
Como o tempinho aqui está auspicioso, viu! Tá lindo demais. Cinza, chuvoso e até friozinho. E aí na sua cidade, como anda o clima? Espero que esteja lindamente cinza, como aqui em BH.

Hoje eu vim pra trazer um conto super bacana pra uma de nossas colunas mais amadas. Eu estava navegando a esmo pela internet quando o li, e logo pensei: preciso mostrar essa belezinha pro pessoal lá do blog! 😍
Faz tempo que eu não posto nada nessa coluna... e eu já estava com saudades! As trevosidades não podem ficar muito tempo longe aqui do PPP, rs...


O amigo do tabuleiro
Por Apocalipse 2000

Sabrina descobriu o jogo do copo há pouco tempo. Achou fantástica a sensação de poder conversar com alguém que já morreu ou simplesmente receber sinais de entidades desconhecidas. Na verdade, ela não acreditava que as entidades pudessem fazer algum mal a ela, afinal, quem já morreu não pode ultrapassar a barreira do real. 

 Ela comprou o tabuleiro em uma pequena loja de artesanato. Pediu para que um velho artesão a produzisse com madeira fina e envernizada. Seu orgulho era perceber o copo leve de cristal deslizando pela mesa ao fazer suas perguntas.

Sozinha em casa, ela tinha a certeza de que o movimento do copo não seria falso. Como no filme "O Exorcista", Sabrina tinha um amigo invisível, era João, um adolescente que foi assassinado por seus pais quando esses voltavam de uma festa, bêbados e o confundiram com um bandido.

Toda noite, Sabrina conversava com João: 

 - Você não se sente sozinho por ai? O que fica fazendo até eu te chamar? 

 João respondeu: - Fico pensando em você.

- Mas eu sempre venho conversar com você!

- Tenho medo que um dia você não venha...

- Sempre estarei aqui. Todos os dias!

- Fico feliz em saber... 

 Sabrina foi dormir. Dormiu, como uma criança. A conversa com João era como histórias para fazê-la dormir. 
No dia seguinte, Sabrina acordou cedo e foi para a aula. Passou seis horas no colégio, como de costume. Mas sentia que algo estava errado. Sentia um vazio no peito. Angustia. Vontade de chorar. Queria chegar logo em casa para conversar com João. Mas sentia um frio na barriga como nunca havia sentido. 

 Ao chegar em casa, Sabrina encontra sua mãe, parada na porta de entrada com um saco preto em suas mãos. Ela temia pelo que podia haver dentro do saco. Ela sabia que lá estava seu tabuleiro. Mas estaria inteiro? Partido ao meio? O desespero toma conta de Sabrina, quando ouve o grito de sua mãe:  
- Vai trabalhar, sua vagabunda! 

 A mãe de Sabrina abre o saco e joga as cinzas da tabua sobre o gramado. A garota não consegue suportar o ódio e derruba sua mãe no chão. Mãe e filha lutam como dois animais, até que Sabrina agarra o pescoço da mãe e a mata asfixiada: 

 - O que foi que eu fiz? 

 Sabrina entra em desespero e corre para dentro de casa. Joga no chão os pratos que estavam sobre a mesa e começa a escrever um alfabeto. Com seu copo sobre a mesa, a jovem começa seu ritual para conversar com seu amigo invisível: 

 - João, você está ai? 

O copo não se move: 
- Preciso conversar com você. Fiz algo muito ruim!

Nenhum movimento. Sabrina começa a chorar. De repente, o copo treme. Parecia um sinal. Sabrina tenta novamente o contato com João:

- Você está ai?

O copo se move em direção a resposta "Sim", e em seguida movimenta-se para escrever a frase "estou no banheiro".

A jovem corre desesperadamente para o banheiro, com os olhos inchados de tanto chorar. Ao abrir a porta, uma densa nuvem de vapor deixa o banheiro praticamente irreconhecível. O chuveiro estava ligado. Aos poucos a fumaça vai desaparecendo, deixando a mostra uma mensagem escrita com os dedos no box de vidro: "estou no espelho".

Sem reação a aquela cena estranha, Sabrina corre até o espelho e fica olhando sua imagem refletida. Depois de poucos segundos sua imagem se transforma na face de João, chorando e com a boca cheia de sangue:

- Porquê você fez isso? Pergunta o espírito:

- Não sei! Ela me deixou fora de controle! Não sei o que fazer!

- Ela está aqui comigo! Ela está me machucando! Ajude-me Sabrina!

Essa foi a última frase de João antes de desaparecer no espelho. Desesperada, Sabrina bate no espelho, na parede e na porta para descarregar seu ódio. Em sua cabeça, ela só consegue imaginar sua mãe estrangulando o pobre João. Em um momento de desespero final, ela grita:

- Vou te buscar, João!

Sabrina pega uma navalha de seu pai e passa em seu pescoço. O sangue jorra pelo banheiro inteiro, manchando o box, o piso e o espelho. Mas Sabrina está calma. Ela sabe que tudo isso é pelo seu amigo João. Mas antes de morrer Sabrina vê algo que a deixa apavorada. Seu último movimento é a tentativa de um grito, de desespero e angústia. Algo mais estava escrito naquele box.

O choro de João aumenta nos ouvidos de Sabrina, mas o som do choro se transforma em uma gargalhada macabra. Seus olhos estão vermelhos, sua pele pálida está coberta de sangue e não há mais nada que ela possa fazer, a não ser esperar pelo seu momento final.

Seu corpo dá seus últimos espasmos pelo chão. O sangue se espalha por todo o banheiro, até sair pela porta. O pai de Sabrina vê o piso do corredor cheio de sangue que sai do banheiro e abre a porta para ver o que aconteceu. A fumaça começa a se dissipar e ele encontra a filha estendida no chão, com a navalha em uma das mãos e a outra mão apontando para o box, que tinha os dizeres "estou no espelho".

Ao pegar sua filha nos braços, e chorando como uma criança, ele olha para o espelho sujo de sangue para tentar entender o que havia acontecido. Olha para o rosto de Sabrina, pálido e com os olhos inchados de tanto chorar. Ao abraçar sua filha, o homem descobre que algo mais estava escrito no box, logo abaixo, com uma letra trêmula e menor, os dizeres "minha filha" apareciam quase que escondidos:

- Estou no espelho, minha filha.


Esses tabuleiros sempre rendem boas histórias, né?
E aí, gostaram? Eu espero que sim, pois eu adorei!

E vou ficando por aqui!
E, só pra avisar, todos os comentários (até o momento) foram respondidos! Se estiver esperando aquela respostinha marota, pode correr lá pra ver, hehe.

Super beijo doce e abraços quentinhos, pipows!


55 comentários:

  1. Oi, Fabí!
    Enquanto nosso plano não entra em ação, acho que irei te visitar aí em BH. O tempo aqui continua quente e quando surge aquela expectativa de que vai chover, a única água que vejo é a do meu suor :( #tenso
    O que dizer sobre este conto? A prova de que pequenas histórias podem sim, ser assustadoras. Tenho medo dessas histórias que mexem com espíritos, mas não nego que gostei desta. Quero mais!! kkk
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Que dó, Alê!
      Vem pra BH então! Prometo de receber com pão de queijo e café quentinho! E não se esqueça das galochas: aqui quando chove, alaga pra tudo quanto é lado, rs...

      Eu adoro esses contos curtos e apavorantes! Por isso que essa é uma das minhas colunas preferidas daqui, hahaha.
      E em breve tem mais trevosidades... muuuuaahahahahhaha! (Risada maléfica! kkkkkkkk)

      Beijos

      Excluir
    2. kkkkkk.... Medo dessa risada. Eu ouvi daqui!

      Excluir
    3. Ah, me abraça, Alle!
      Normalmente quando dou essa risada as pessoas dizem: Ah, que fofinha! Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Beijos!

      Excluir
  2. Não sei nem o que dizer que é mais macabro nessa história! Mas matar a mãe pra depois....aquele final?! Ai! Que droga! :S
    Nunca vi um Tabuleiro desses, mas depois de ver história com esse negócio nem quero ver mesmo xD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Na biblioteca do meu colégio tinha um treco desses, acredita? Agora imagine as histórias que aquela biblioteca num tinha? MEDO! hahahhaa

      Beijos

      Excluir
    2. Se na minha tivesse um desses fico só imaginando o povo da minha sala. Quando tinha horário vago eles sempre arrumavam alguma doideira pra fazer. Com um joguinho fofo desses quero nem pensar no que daria xD

      Excluir
  3. Oi Fabi! Aqui o tempo está esquisito. Chove, mas continua quente e abafado.
    Também estava com saudades dos contos desta coluna! Achei esse muito tenso! Deus me livre um tabuleiro desse na minha vida! Hahaha
    Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anninha, vamos fazer uma caravana e trazer todos vocês pra BH! Curtir tempinho ameno comigo! Que tal?
      E quando esse tabuleiro aparece, é sinônimo de coisa tensa na área! É fato!
      Trem assustador.. rs

      Beijos

      Excluir
  4. Morri na imagem desse tabuleirooo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Me rende vários pulos se é que me entende ;) To correndo. bjo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tenha medo! Caso os espíritos apareçam, faça a dancinha de acasalamento da garça maluca que eles irão te adorar e se manterão longe de vc, amiga!
      kkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Beijos

      Excluir
  5. Oi, Fabi! Que conto é esse, menina? Assustador!! E esse final? Impactante! Tenho pavor destas coisas e sempre terei. Vamos deixar os mortos sossegados, concorda? ;)
    Beijoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Costumo dizer que tenho medo dos vivos e não dos mortos... mas mesmo achando que eles podem ser inofensivos (#SQN), prefiro deixá-los quietinhos lá na deles.... vai que, né? Hahhaha

      Beijos!

      Excluir
  6. Oi, Fabi!
    Que conto mais assustador! Mais adorei!! Que criatividade, foi um conto bem macabro!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Curtinho e mega macabro, né? Os meus preferidos! shiAHsuihAUHIsAs

      Beijos!

      Excluir
  7. Tabuleiro ouija, jogo do copo, compasso, caneta, não importa oq se use pra falar com os espíritos é algo que eu passo longe rsrsrs. Gosto nem de conversar com os vivos, imagina com os mortos.
    Tenho curso superior em histórias de filmes de terror pra saber que não se brinca com espíritos, esse povo não aprende rsrsrs.
    Adorei a historinha da vez, definitivamente essa é a coluna mais amada daqui.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      "Gosto nem de conversar com os vivos, imagina com os mortos." É por isso que te "ambo", mulher! shAhsuiHAs
      #MeRepresenta

      E o povo nunca vai aprender que não se mexe com quem tá queto... sHAuhsUAHs

      Beijocas

      Excluir
  8. Que medo, que tenso, Fabi! hahaha É angustiante essas histórias de terror, mas a gente não vive sem né?! Tava com saudade dessa dose de terror que o seu blog sempre proporciona.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Num tem jeito de viver sem não, Crissiiieee! A gente surta! shIAhsuiAHiusHAs
      E as trevosidades aparecerão com mais frequência por aqui, pode deixar! Rsrsr

      BEijocas

      Excluir
  9. Que conto foi esse Fabi?! Fiquei até sem fôlego enquanto lia, intrigante e apavorante! Adoro histórias de terror, mas as de espíritos são as que mais me causam frio na espinha e eu continuo gostando (sim, eu sou uma pessoa esquisita!). Na vida real, eu passo bem longe de jogo do copo e tabuleiros de ouija, vai que o outro lado responde mesmo, eu em... #medo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu passo longe tb, mas as histórias de espíritos são as minhas preferidas, Jacque! #ALoka
      Rsrr
      Acho as mais arrepiantes e sinistras! Muita trevosidade! hsiAHsuiHAs

      Beijocas

      Excluir
  10. ........




    SAI PRA LÁ, DEMÔNIO. Eita menino desgraçado! Enganou a coitada direitinho. Que sinistro. Logo hoje, Pitacos, que eu vou dormir sozinha.... MDS. E tem um espelho aqui... Eita desgraça do raio. Se eu não dormir você vai ter que me dar um livro. Agora, pronto. Quero nem saber. Bjs




    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu Deus, eu não vou conseguir dormir. Porque eu tinha que abrir esse post logo hoje?
      - Thaís, você é muito palhaça. Parece que cê não sabe que sempre é história assim. Agora Tame, desgraçada. Fique sem dormir mesmo. Bem feito. Ninguém manda ser curiosa. Porque quando você viu o nome "tabuleiro" você não voltou e deixou pra olhar amanhã?

      Excluir
    2. - Agora quando você brevemente dormir e acordar com as patacas roxas nos olhos, não fale nem um "piu".

      Excluir
    3. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Rindo forervermente de vc, Thaís! Sua Loka!
      shIUAhsuiAHsuhUIAhsas
      Espero que tenha conseguido dormir!
      E olha que dessa vez nem coloquei no final "leia a noite", hein?
      sHAishUIAHsuiHAs

      Beijocas

      Excluir
  11. Meu Deus!
    Que final é esse?
    Matar a mãe..............
    Morri. Adorei
    Beijosss

    ResponderExcluir
  12. Oi Fabi.

    Bem tensa essa história, hein?
    Nenhum final feliz para as histórias de terror!
    Amei.


    Beijos.
    Alana Marques
    colecionadoresdelivross.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dificilmente uma estória como essa poderia ter final feliz... espírito danado esse desse menino, credo!
      sHAIshuHAS

      Beijocas, sua linda!

      Excluir
  13. Oi flor, adorei o conto, mas sou a mais burrinha daqui pois não entendi o final, kkkkkkkkkkkkkk Mulher me explica senão eu vou ficar lesa de ler. Já li e reli três vezes. Mas acredite, não entendi mesmo! Bom, sobre o tabuleiro eu super acredito em espíritos, pois os vejo ainda hj, sei que muitas pessoas não acreditam mas sou uma pessoa que aprendi a conviver com o outro lado! Beijokas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Dri, a menina ficou brava com a mãe e a matou... o espírito que falava com ela no jogo disse que estava no espelho... disse que sua mãe estava machucando ele... e ela resolve se matar pra ir ajudar. Mas na verdade quem estava no espelho era a sua mãe, e ela estava sendo machucada pelo espírito! Ele a enganou pra que a menina, Sabrina, se matasse. Ele fará as duas sofrer agora... T.T

      Eu também acredito em espíritos. E por saber que há tanto os bons quanto os ruins, prefiro deixá-los em paz. Se eu tivesse o dom de ajudá-los a fazer suas passagens, a irem para o outro lado sem medo, certamente eu me envolveria mais no assunto. Conviver com o outro lado é preciso, pois ele nos influencia mais do que imaginamos...

      Beijocas

      Excluir
  14. Fabi!
    Apesar de ser uma história bem macabra e até dolorosa de filha matando a mãe por causa de uma amigo espiritual e depois se matando para tentar salvá-lo da mãe, serve de alerta para quem gosta desse tipo de jogo: não se deve mexer com os espíritos que estão quietos...
    “Eu não procuro saber as respostas, procuro compreender as perguntas.” (Confúcio)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Rudy!
      Não sabemos que está do outro lado, né? É preciso ter cuidado e bom senso!

      Beijcoas

      Excluir
  15. Choveu ontem a noite uhruuuu! Amanheceu um friozinho gostoso, aleluia!
    Sou cagada pra essas brincadeiras, na escola sempre tinha um grupinho que inventava de brincar dessas coisas nas aulas vagas, eu fugia logo, morro de medo de mexer com o desconhecido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aeeeeeeeeeeewwwww!
      Viu que a dança da chuva demora mas acaba dando certo? shIUAhsuHAs
      Faz vc bem, Kris! É preciso entender que nunca se sabe o que há do outro lado. Nesses casos, melhor evitar mesmo!

      Beijocas

      Excluir
  16. Wow!
    Meu Deus! Que conto maravilhoso <3
    Quando cheguei nesse final... Só conseguia pensar em querer mais! A garota caiu direitinho nas armações do capiroto, a tolinha Kkkk ( não sei pq tô rindo) Kk
    Já estou me apaixonando por essas histórias de terror! Quero mais haha
    Bjo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mylla, ela caiu feito uma patinha, né? Doidona!
      sHAishUIAhsiuAHs
      E fica de olho pq vai ter mais sim... e em breve! shIUAhsuiHAs

      Beijocas

      Excluir
  17. Aveee Fabi!!
    Triste ao msm tempo né...Esses jogos dão medo, essas histórias...
    Mas gostei bastante!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom que fica o alerta pra esse povo doido que fica brincando com essas coisas, rs!

      Beijocas

      Excluir
  18. Oi!
    Espero que o tema ai continue assim, esse e o tempo perfeito para ler !!
    Nossa, achei que essa historia ficou bem mais triste que assustadora, esse final acaba nos deixando grudados para descobrir o que vira e nos surpreende, achei muito bem escrito !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Triste mesmo, né? E foi só eu que fiquei achando a menina uma burraaaa? shUIHAuishAs
      Beijocas

      Excluir
  19. Como diz o ditado: aqui na cidade tem um Sol pra cada um. QUE CALOOOOOOOOOR DE FRITAR!!!!

    MINHA NOSSA!! Essa Sabrina adora uma coisa macabra hein?? Nunca teria coragem de ir atrás de um tabuleiro pra tentar contato com espíritos (cheguei a arrepiar, sou medrosa demais).
    Adorei a escrita do conto pois o autor conseguiu fazer com que eu esperasse ansiosamente pelo final e ao mesmo tempo, fiquei com mais pena da mãe da Sabrina do que dos outros personagens.
    Moral da história: NÃO MEXAM COM ESSE JOGO, GUYS!! Kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queria que as pessoas ouvissem o seu conselho, Gaby! shiuahsiHAs
      Elas continuam mexendo com esse doido... torçamos pra que nada do que aconteceu com a Sabrina aconteça com eles, né?

      Beijocas

      Excluir
  20. Nossa que tenso esse conto, fiquei presa querendo saber o que ia acontecer, que final que foi esse hein, nossa, eu morro de medo desses jogos, mas não jogo nunca na vida, mas realmente eles rendem histórias.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rendem umas das melhores histórias de terror de todos os tempos, em minha opinião, Cami! Mas num arrisco a brincar com isso tb não! shiUAHsiuHAs

      BEijocas

      Excluir
  21. HAHAHA adoro trevosidades, aqui o tempo tá chove faz sol chove faz sol
    Curti o conto! Na infância eu e uns amigos ficávamos fazendo esse tal jogo do copo kkkk bobos mesmo!
    Confesso que não entendi bem o final... o João era um sacana que fez isso de "propósito"? Tipo deixou ela maluca pra matar a mãe e se matar? Aii não entendi bem, mas curti kk

    Beijos,
    Kemmy - Duas Leitoras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi isso que eu entendi, Kemmy! Que esse João era um cara malvado que influenciou Sabrina a matar a mãe e depois se matar. Coisa ruim, esse menino!

      Tb amor trevosidades! Dá aqui um abraço! hsiHAusiHAs


      BEijocas

      Excluir
  22. Oi.
    Nossa, esse conto foi tenso! Pequeno, mas impactante!
    Mas gostei da sua escolha macabra, prendeu a atenção até o final! E que final!
    Não gosto desses jogos. hahaha Tenho medinho!
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu morro de medo tb, Márcia! Eu não brincaria disso nem morta! Mas adoro as histórias que isso rende! Hahaha

      Beijocas

      Excluir
  23. "Achou fantástica a sensação de poder conversar com alguém que já morreu ou simplesmente receber sinais de entidades desconhecidas." HÁÁ SIM, UMA COISA HIPER MEGA NORMAL ú.ú

    Eu tô arrepiada demais, ainda bem que é de manhã, ainda bem nada, vou mais no banheiro não, quero nem olhar pro espelho que tem lá.

    Mas adorei o conto, quando eu era pequena o pessoal da minha escola brincava da brincadeira do copo, eu morria de medo, e nem chegava perto.
    Meu amigo falou que vai comprar um tabuleiro, vou mandar esse conto pra ele, quero ver ele mudando de ideia rapidinho kkkkk

    Obrigada por compartilhar com a gente Fabi <3
    Beijos!
    Lost Words

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fato de que seu amigo vai mudar de ideia, Aline, sua linda!
      shIUAhsuiHAiushAs
      E nada de ter medo de espelhos. Tenha medo é desses jogos e desse seu amigo doidão! shiahsuiHAUIsh

      Beijos

      Excluir
  24. Oiiii Fabi.
    Estava me sentindo uma lerda pois não tinha entendido o final. Kkkk
    Ainda bem que não foi só eu, fiquei procurando um comentário pra saber se mais alguém não entendeu.
    Mas também né? A pessoa vai inventar de procurar amizade com um fantasma? Lá ela. Que macabro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      O João se aproximou da Sabrina para influencia-la a matar a mãe e se matar, Galeeeenha! shiHAusihAUIshUIAHs
      Entendeu agora?
      kkkkkkkkkkkkk

      Beijocas

      Excluir
  25. Oi Fabi...
    Esse tipo de conto me arrepia... E esses tabuleiros quero bem longe de mim... Rsrs... Esse negócio de coisas macabras e cheias de sangue não são pra mim não... Rsrs
    Beijinhos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro coisas macabras e coisas com sangue, Cris! Mas passo longe desses jogos... gosto só das histórias! siUAHsuIHAs

      BEijocas

      Excluir

© PAUSA PARA PITACOS - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: RENATA MASSA | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo